Ginástica Diária Para Vida Espiritual







Para relaxamento dos Nervos:
Entrega ao Senhor todas as tuas cargas, preocupações e tristezas. (Salmo 37.4-8).
Para a cabeça:
Inclinada em adoração. (Gênesis 24.26).
Para a Mente:
Exercite com idéias construtivas (Salmo 1.2, Fp 4.8).
Ginástica Ocular:
Ver só o bem em teus semelhantes (Fp 2.3, Pv. 3.29).
Ginástica Respiratória:
Respire a atmosfera de paz, amor e felicidade (Col 3.14,15; Heb.12.2-14).
Ginástica auditiva:
Escuta a voz de Deus (João 8.47; Is.6.8).
Para o coração:
Irradiar  sentimentos de amor (Rm.12.9).
Para a Língua:
Fale palavras edificantes e criativas (Mt.5.37).
Para a Face:
Sorria, sorria sempre (! Ts.5.16; Sl. 126.5).
Para as mãos:
Una-as diariamente em oração (1 Tm 2.8; Pv 31.20).
Para os joelhos:
Para se tornarem flexíveis, dobre os em oração (Fp. 2.10)
Para as Pernas:
Ande humildemente pelos caminhos do Senhor (Mq. 6.8; Is 48.17).
Que tal começar sua ginástica espiritual agora?

Fonte: http://www.escolaparapregadores.com/

QUEM MANDA EM VOCÊ?


CATIVOS DE CRISTO – II Co 2:14-16; 3:3-6












Muitas pessoas, com suas palavras dizem ser de Cristo. Há até canções que a juventude aprecia ao extremo onde parte do refrão repetem exaustivamente: "[...] eu sou de Cristo [...]". No entanto, existe uma diferença muito grande entre palavras e ações. 

A Palavra de Deus nos aconselha a vivermos separados desse mundo (sistema controlado pelo diabo). Quem diz ser de Cristo "também deve andar como Ele andou [...]" (I Jo 2).


As ações de quem declara ser de Cristo precisam ser coerentes com o que o Evangelho de Jesus ensina. Mas podemos ver que muitas pessoas ainda não aprenderam a ter uma vida controlada pelo Senhor. Quando vem a ira não deixam o Espírito Santo decidir por eles, quando são colocadas a prova mostram verdadeiramente quem está no comando de suas vidas - Eles.


Precisamos aprender ter uma vida totalmente entregue nas mãos do Senhor, como homens capturados por Ele, renunciando todos nossos "achismos" e obedecendo incondicionalmente a Palavra do Senhor. 


Abandonando os prazeres da carne pois já não somos mais donos desse corpo, pertencemos exclusivamente a Deus. Glorifiquemos então o nome do Senhor com nossas vidas. Sejamos realmente verdadeiros servos cativos e dominados pelo Espírito Santo.


Segue abaixo um texto que fala sobre o que é viver debaixo da autoridade de Cristo, leiamos e vejamos como estamos então.

“...O primeiro aspecto de uma pessoa vivendo a todo tempo no santo dos Santos[Presença de Deus] pode ser visto em 2:14 onde Paulo diz: “Graças, porém, a Deus que em Cristo sempre nos conduz em triunfo”. 


W. J. Conybeare, em sua tradução de 2ª Coríntios, fala-nos que a palavra grega traduzida por “conduz em triunfo” era uma palavra especial usada na antigüidade para descrever uma procissão triunfal. No Império Romano quando um general ganhava uma batalha, ele capturava muitas pessoas.

Então no Capitólio ocorria a celebração da vitória, e nesta celebração havia uma procissão da vitória obtida pelo general. O apóstolo Paulo adotou essa expressão para mostrar que Cristo é o General que obteve a vitória e que Deus hoje está celebrando a vitória de Cristo.

Entre tantos que foram capturados por Cristo, estava Paulo. Ele havia sido um dos maiores opositores a Cristo e a Seu Evangelho. Um dia, no caminho para Damasco, ele foi conquistado, subjugado e capturado (At.9:1-9). Daquele dia em diante, ele se tornou um cativo de Cristo. Podemos pensar que Paulo saía viajando por diferentes lugares como um pregador maravilhoso.

 Mas de acordo com o seu sentimento ele estava na procissão triunfal de Cristo como um cativo. Deus está celebrando a vitória de Cristo com uma procissão triunfal, com um desfile de cativos. Paulo era um cativo na celebração da vitória de Cristo Ele fora capturados por Cristo.

O primeiro aspecto de uma pessoa vivendo no Santo dos Santos[Presença de Deus] é o aspecto de ser um cativo. Primeiramente, temos de ser cativos de Cristo no desfile, na procissão da celebração da vitória de Cristo. Se desejamos viver no Santo dos Santos, desfrutar Cristo como a boa terra, estar no espírito, primeiro devemos ser capturados por Cristo.

Cristo tem de nos conquistar, subjugar e capturar. Falando sinceramente, muitos de nós devem admitir que em vez de sermos cativos de Cristo, Cristo é par nós um cativo. O dia todo você celebra a sua vitória, como Cristo como um cativo no desfile de sua comemoração.

Na sua experiência, quem é o cativo, Cristo ou você?

Quem está celebrando a vitória?...” [1]

Que Deus nos ensine a sermos cada vez mais servos, cada vez mais filhos, sempre obedientes ao nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo!


[1] - Texto extraído do livro: Fonte: Lee, Witness – A autobiografia de uma pessoa no Espírito.

DETALHES...


Um bom dia cheio de amor antes da aula;

Uma sala bem organizada e limpa para os alunos;

Dar oportunidade de os alunos se expressarem durante a aula;

Uma elogio para cada iniciativa;

Um olhar de interesse quando alguém estiver perguntando;

Uma reposta branda para qualquer dúvida, mesmo que seja pequena;

São esses e outros pequenos detalhes que cativam seus alunos e faz com você seja, para eles, um exemplo de professor e amigo.

Com pequenas pinceladas os mais belos quadros foram pintados,

Pense nisso!

PRESERVANDO A IDENTIDADE DA IGREJA


SUBSÍDIO


I - Texto Áureo (2 Co 11.3)
II – O que é a Igreja
III – A Preservação da Identidade da Igreja
IV – Alguns Perigos que Ameaçam a Igreja
V – Dinâmica (MINHA IDENTIDADE) *






I – Texto Áureo

“Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos e se apartem da simplicidade que há em Cristo” (2 Co 11.3)

A preocupação de um líder com a pureza da Igreja é vista nesse versículo. Paulo não suporta nem pensar em ver os irmãos coríntios que tinham se entregado a Cristo, caírem nas conversas enganadoras de falsos mestres que se diziam mensageiros de Deus. Vemos aqui um homem preocupado em defender, com amor e zelo, a fé do povo de Deus contra lobos vorazes que vestidos de uma falsa piedade tentam induzir os santos a uma vida afastada da modéstia do Evangelho.

A serpente (o diabo) conseguiu colocar na mente de Eva que a mesma, em sua obediência a Deus, estava deixando de provar algo melhor que ainda não sabia, mas agora a serpente (fingindo ser amiga) iria lhe revelar algo que Deus ainda não tinha lhe contado (Gn 3.1-5, 13). O fim da história não foi feliz como já sabemos. Mesmo assim, infelizmente, o diabo ainda consegue enganar muitas outras “Evas” (igrejas) que ao invés de obedecerem a voz de Deus, preferem acreditar em novas “revelações” de falsos mestres que assim como a antiga serpente, astutamente vivem a enganar.

A simbologia de uma virgem usada por Paulo para referir-se a Igreja nos mostra que o Noivo, Jesus Cristo, espera uma Igreja sem mácula, simples assim como Ele é. Cuidemos então estarmos puros e modestos, afastados das seduções de homens descompromissados com a Palavra de Deus e o Deus da Palavra.

II – O que é a Igreja

             A Igreja é, de acordo com o Dicionário da Bíblia de Almeida, um “grupo de seguidores de Cristo que se reúnem em determinado lugar para adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (Rm 16.16)”. Temos aqui então algumas características que identificam a Igreja do Senhor. E essas peculiaridades existentes na igreja a diferenciam de outras organizações.

Mas além disso, como diferenciar e reconhecer verdadeira Igreja do Senhor? A reposta Jesus nos deu assim: ”Portanto, pelos seus frutos os conhecereis (Mt 7.20).

            Jesus deixou bem claro que a sua igreja (ekklesia), chamados para fora, não é reconhecida pelo que tem (bens e números) mas pelo que é(virtudes e obras). É o fruto que qualifica a verdadeira Igreja de Cristo.

            A Igreja tem sua identidade bem definida. Tem sua origem em Deus por meio de seu Filho nosso Salvador Jesus Cristo. Tem em sua formação homens e mulheres de todas as raças, tribos e nações, portanto é terrena. E foi fundada no Dia de Pentecostes no propósito de dar continuidade a obra de proclamação da mensagem do Reino de Deus, servindo a Deus com a adoração e ao próximo com as obras de misericórdia.

            Infelizmente, no presente século, vemos uma igreja diferente da primitiva. Isso se deve ao fato de que o inimigo tem conseguido pouco a pouco colocar seu joio no meio do trigo, causando com isso uma mistura daquilo que foi plantado originalmente com outras sementes estranhas lançadas no mesmo terreno. Mas em breve vai haver separação entre o original e o falso.
            
III – A Preservação da Identidade da Igreja

“Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho”(1 Co 9.16). Esse é o papel principal da Igreja – Pregar e ensinar(Mc 61.15, Mt 28.19). A Igreja ficou conhecida por pregar sem medo a Palavra de Cruz, e deve continuar denunciando o mal do pecado aos homens, falando que só em Cristo há salvação.

Assim como Deus queria que o povo de Israel fosse seu porta-voz, mas os mesmo não o fizeram, agora Ele conta com a Igreja como mensageira da Palavra da Salvação.  De 12 para 120, de 120 para quase 3.000 e de 3.000 para milhões. A Igreja creceu em quantidade e sua responsabilidade de despenseira dos mistérios de Deus ainda é requerida a cada dia que passa.

O emblema do cristão é o amor(Jo 13.35). Os homens conhecem Jesus como um homem cheio de amor que não fazia acepção de pessoas e que se relacionava com todos sempre ensinando com ações e palavras o verdadeiro amor de Deus. A Igreja deve seguir os passos do Mestre e pregar e viver o amor de Deus.
Cabe ainda aos santos uma tarefa especial de guardar toda essas caracaterísticas puras que Deus lhes deu. Para o mundo a verdade é relativa mas para a Igreja não exite esse termo quando se trata da Verdade de Deus.

“A apostasia apresenta perigos reais e presentes, tanto hoje com o sempre. Na verdade, a ameaça talvez seja mais iminente e perigosa do que antes, visto que, em nossos dias, a maioria dos cristãos não se importa com o predomínio da falsa doutrina, nem leva a sério seu dever de lutar contra a apostasia. Pelo contrário, desejam um ambiente amigável de aceitação aberta para todos, de tolerância de idéias opostas e de diálogo cordial com os apóstatas”[1]

Devemos erguer a bandeira do Evangelho e não nos conformamos com este mundo(Rm 12.2). O inimigo quer mudar a verdade de Deus em mentira e suas próprias mentiras em verdades, confundindo assim a mente de muitos, por isso a Igreja deve, em sua função de apologeta da fé, continuar “batalhando pela fé que uma vez foi entregue aos santos”.

A cada dia surgem novos modismos (nova unção, novas liturgias, novas revelações da verdade, etc) tentanto invadir o seio da igreja, e nessa hora Deus espera que seus servos não se acovardem mas que, com amor e zelo, reajam contra toda inovação que venha pertubar a simplicidade do Evangelho de Cristo. Não podemos fazer pacto de boa vizinhança com quem não tem compromisso com a Palavra de Deus.

IV – Alguns Perigos que Ameaçam a Igreja

Os homens mudam com o tempo levando assim a sociedade a uma metamorfose ambulante. No entanto a Igreja não pode passar por esse processo. Ao contrário do que muitos pensam a Igreja não deve alterar seus padrões divinos buscando uma contextualização com o mundo.

Mas infelizmente, por desleixo de muitos, a igreja tem perdidos muitas caracaterísticas que a distinguem das demais organizações terrenas. O primeiro amor, a falta da devida reverência diante do Deus três vezes santo e também a soberba da vida tem encontrado lugar em muitos homens e mulheres que formam a igreja.

Será se a igreja perderá definitivamente sua identidae com o passar dos tempos? Não!, pode ser até que a igreja organização sim, mas a Igreja organismo não, pois a primeira está no comando de homens enquanto a segunda foi chamada e é comandada pelo Eterno Deus,a mesma tem também seu compromisso principal com Deus e para ela importa obedecer mais a Ele que aos homens.

Quem não já viu tantas aberrações hoje em dia vindas de pessoas que dizem estar fazendo tudo para Deus. Ele não mudou e nem mudará. E a identidade original que da Igreja precisa ser preservada, pois o Senhor Jesus vem buscar uma igreja sem mácula, separada do mundo, que vive cumprindo seu chamado, e clamando dia e noite: Ora vem Senhor Jesus!

V – Dinâmica (MINHA IDENTIDADE*)

            Caso queira receber o tutorial da dinâmica para aplicá-la em sua sala de aula, envie um e-mail para FILHOCON@YAHOO.COM.BR


            Uma ótima aula!

Referências Bibliográficas:

[1] – MACARTHUR, John – A Guerra pela Verdade – Editora Fiel, 2008 - p.77

EU QUERIA SER POETA...



Para poder falar com lindas palavras que eu amo o meu Senhor

Em cada linha expressar, com tudo de mais belo que há que Ele tem o meu amor

Eu já fiz vários rascunhos, já fiz tantos pensamentos e tentei finalizar

No entanto não deu certo, outra vez não consegui pro Senhor me declarar

Vejo a abelha e a flor, olho céu e o esplendor penso agora eu consigo e começo a escrever

Pouco a pouco vou fazendo, mas conforme eu vou lendo, dá vontade de esconder

Meu Senhor precisa mais, tem que se especial, mas poeta eu não sou

Mesmo assim eu não desisto, e com fé vou conseguir descrever o meu amor

Se o talento ainda vem, continuo a esperar, pois Deus dá sabedoria pra quem nEle confiar

E eu sou mais um da lista, tenho fé vou receber, e com minhas poesias pra Jesus irei dizer:

EU TE AMO!

O PROFESSOR E A DISCIPLINA











O soldado que se prepara para a batalha, o lavrador em seu trabalho paciente e o atleta em seu preparo físico para o dia da competição, todos esses tem uma virtude em comum - Disciplina. Todo pessoa que quer alcançar algum objetivo na vida precisa ter disciplina e isso requer mudanças, não somente de certos comportamentos, mas sim no estilo de vida. E a esse estilo de vida regrado, com um foco bem definido e ações objetivas, seguindo uma série de normas e regras no intuito de conseguir alcançar o alvo pré-determinado, é denominado disciplina.

Como bem disse George Washington: “A disciplina é a alma de um exército; torna grandes os pequenos contingentes, proporciona êxito aos fracos, e estima toda a gente”

Para o crente que procurar viver dia após dia na presença do Senhor, visando uma vida cheia do Espírito Santo, santificada e que renda frutos para a glória de Deus, encontramos na Palavra do Senhor o conselho de Paulo, um homem que vivia disciplinadamente a vida cristã: 

“Ninguém que milita se embaraça com negócios desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra. E, se alguém também milita, não é coroado se não militar legitimamente. O lavrador que trabalha deve ser o primeiro a gozar dos frutos (2 Tm 3.6).

E para o professor de EBD, qual o resultado de uma vida disciplinada na busca de um ensino eficaz?

Os resultados serão surpreendentes. Pois se o professor se dispuser a ter um estilo de vida de verdadeiro preparo para ministração das aulas e aplicação dos conteúdos aprendidos em sua própria vida, logo verá que tudo será mais fácil. Não que os obstáculos vão desaparecer, mas simplesmente ele estará mais preparado para tudo o que vier.

Terá mais graça e conhecimento para transformar através do ensino vidas. Os resultados obtidos trarão o mesma satisfação que o lavrador tem ao ver que todo seu esforço valeu a pena, pois da semente plantada e do esforço desempenhado surgiu um lindo fruto.

Busquemos então, como agentes do ensino bíblico, a disciplina em nossa vida!

Fiquem com Deus.

CONFIANÇA?


“Por cuja causa padeço também isto, mas não me envergonho; porque eu sei em quem tenho crido...” (II Tm 1.12)




Como é bom ter confiança. Você dorme e acorda tranquilo. Como um barco, veleja em paz, pois sabe que seu cais sempre estará lá. Por outro lado, o homem que não tem confiança vive um conflito interior para cada ação que pretende realizar. Não confia em nada e em ninguém e às vezes nem em si mesmo, pois o medo já tomou conta de seu ser.

Mas com o apóstolo Paulo era diferente – ele tinha confiança. Vemos aqui alguém que vivera tantas perseguições, lutas, perigos, dissabores, intimidações, perturbações, naufrágio, doenças, cansaço e riscos de vida, certamente tinha muitos motivos para ser um homem desconfiado da vida. No entanto a Palavra do Senhor nos revela algo surpreendente afirmando que embora Paulo tenha vivido todos esses momentos maus, sua confiança não estava abalada, permanecia sempre firme e constante.

Ele não confiava em poderes terrenos, em sua própria sabedoria ou força. Ele sabia em quem cria e pode mostrar ao jovem Timóteo que nada poderia trazer abaixo essa graça recebida. A sua confiança era a mesma que Daniel tinha ao não se prostrar ante a estátua de Nabucodonosor, era a mesma que Abraão tinha quando decidiu entregar Isaque no altar, foi essa confiança que levou Débora, a juíza, a pelejar e livrar o povo de Israel das mãos do inimigo, a confiança de Paulo era a mesma que fez com que Davi marchasse para a batalha contra o gigante Golias.

Que confiança era essa? De onde vem esse poder inabalável que fez e faz com que esses homens e mulheres de Deus não desanimem em meio à caminhada?

“Porque Deus não nos deu o espírito de medo, mas de poder, e de amor, e de moderação” (II Timóteo 1:7)

Deus nos encheu com sua graça protetora e nos tirou das trevas para sua maravilhosa luz. Quem antes não conseguiria nem pensar em um futuro melhor, hoje corre atrás com o desejo de vencer, pois sabe que o Deus que começou a boa obra continuará operando a mesma em seus filhos amados.

Se o espírito do medo ainda está lhe perturbando, tentando bloquear suas forças, reaja!

Deus nos deu o mesmo Espírito que operava na vida de Paulo, Moisés, Débora, Lóide e tantos outros filhos seus. Tenha confiança. Acredite que o Deus que fechou boca de leões, abriu o mar, fez o fogo esfriar, abalou muralhas e operou milagres e maravilhas, ainda continua o mesmo.

Diga como Paulo: “Eu sei em quem tenho crido”. Pode vi o que vier, eu sei em quem tenho crido. Pode a doença chegar, mas eu sei em quem tenho crido. Mesmo quando, injustamente, estiver sozinho, não esqueça e lembre que Ele ainda é o mesmo e jamais esquecerá quem nele confia.

Fiquem com Deus!

EBD e Planejamento - Um casamento legal


Planejamento é uma tarefa muito importante para todos que desempenham qualquer função. Para o superintendente e os professores de EBD, planejamento é uma ferramenta que não pode deixar de ser usada.

Na EBD temos o planejamento anual(projeto pedagógico geral), o planejamento mensal(eventos, reuniões, agendas) e o planejamento semanal(grupos de estudos, planejamento das aulas e outros). Todos requerem sua devida atenção. Pois quem não planeja e vive de improviso não conseguirá alcançar nenhum objetivo.

Planejar significa traçar alguma meta, fazer o plano de algo. Significa também um processo de reflexão, de tomada de decisão sobre a ação; processo de previsão de necessidades e racionalização de emprego de meios (materiais) e recursos (humanos) disponíveis, visando à concretização de objetivos, em prazos determinados e etapas definidas, a partir dos resultados das avaliações (PADILHA, 2001, p. 30).

Professores que planejam suas ações terão um excelente resultado. Pois dentro de um  bom planejamento sempre contamos com ferramentas de avaliação para os pontos que, futuramente, precisarão de melhoramento.
  
Segue abaixo algumas dicas extraídas de um curso de lideranças para EBD sobre planejamento.

"Planejar não é só colocar as coisas no papel e sair distribuindo funções e cargos. É muito mais que isto!

O grande erro de planejamento é a "teorização": ter uma teoria sobre o assunto e querer implementar, na prática, aquela teoria, nem sempre verdadeira...
Como planejar?

1)      Lembre-se que o planejamento é dinâmico, ou seja, pode ser maleável. Mas é importante adotar uma estratégia, ou no máximo duas. Não adianta tentar de tudo, isto só gasta energia.

2)      Não pense que você terá todas as respostas para tudo. A liderança da EBD deve ter conselheiros (sugestões: o pastor, outros líderes locais, professores aposentados, etc.).

3)      Planejar exige humildade para reconhecer erros, disposição para mudar e mente aberta para aprender.

4)      O melhor planejamento é o mais simples. Nada de "2 páginas cheias de planos". Melhor 2 parágrafos que possam ser praticados!"

Façamos então um trabalho planejado buscando sempre o melhor para o Reino de Deus.

PELA UNIDADE DOS SANTOS


Rm 12:3-5 “Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um.

4.Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação,

5.Assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros.”


Não se sinta pequeno e insignificante, você foi criado a imagem e semelhança do Eterno Deus. Por outro lado, também não se sinta melhor do que os outros ou mais importante e as vezes até insubstituível, tudo que acontece em sua vida é o agir das mãos de Deus, Ele está te usando, você é só um instrumento. A honra e a glória é d Ele, e Ele não a divide com ninguém (Is 42:8).

Em muitas igrejas evangélicas pode-se notar essa polaridade presente, fruto de ensinamentos infundados e divergentes do que a Bíblia ensina. Por exemplo, o pastor é tratado com respeito por todos, enquanto o porteiro é somente um mero serviçal, também a honra excessiva que é dada aos pregadores dos congressos, enquanto os professores da EBD são ignorados, e a lista dessas diferenças é extensa. 

Mas Jesus não nos ensinou assim (At 10:34). Ele quer que entendamos que mesmo com diferentes dons e talentos, todos somos iguais perante o Criador. Deus ama a todos, ele usa todos seus filhos. Por quê? Porque todos fazem parte do Corpo de Cristo (v.5) aleluia!

Os homens fazem suas medidas procurando agradar aos “maiores”. Mas Deus não faz assim, Ele em sua infinita graça e bondade, nos olha com amor verdadeiro e isso independentemente se sou só o zelador da igreja, o porteiro - considerados, erroneamente, cargos de posição inferior - se sou um em meio a um milhão, ou se não tenho a credencial de obreiro. Jesus nos deu a oportunidade de trabalharmos em sua Obra, não olhando para o que temos ou o que somos, mas sim para o que Ele é e o que Ele pode fazer através de nós, quando estamos sob seu domínio. 

Portanto nos resta orarmos e pedirmos seus preciosos Dons e a presença do Espírito Santo nos direcionando, para que JUNTOS e SEM ACEPÇÃO, façamos o melhor para o seu Reino.


Fiquem com Deus!

IGREJA - AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE


SUBSIDIO














 I - Texto Áureo (Mc 2.17)
II – A Igreja e a Sociedade
III – A Igreja e a Proteção Social
IV – A Igreja e a Assistencia à Sociedade
V – Dinâmica (EU SOU ASSIM*



I – Texto Áureo

“E Jesus, tendo ouvido isso, disse-lhes: Os sãos não necessitam de médico, mas sim os que estão doentes; eu não vim chamar os justos, mas sim os pecadores” (Mc 2.17)

Respondendo a indagação de seus acusadores o Mestre afirma seu propósito e missão (Jo 3.16) que deve ser o mesmo da Igreja. Enquanto os religiosos esperavam um messias de postura igual a deles, sentado num palácio longe dos homens comuns e pecadores, O Rei dos reis e Senhor dos senhores os confunde mais ainda e se assenta com homens marginalizados e tidos como impuros, levando-os ao conhecimento da Verdade do Reino de Deus.

Usando uma metáfora Jesus revela que Mateus precisa de um médico, assim como todos os homens – do passado e do presente - pois a Palavra de Deus diz que “todos pecaram e destituídos estão da glória e Deus” (Rm 8.10).

“Jesus traz a vida do Reino futuro para o presente, oferecendo comunhão entre Deus e os homens, para ser aproveitada agora no meio deste presente mundo mau. O exemplo de Jesus de quebrar as barreiras trouxe uma mensagem clara à igreja...” [1]

Quantos cristãos estão afastados do “doentes” hoje em dia? Preferem a companhia dos “sãos” da sociedade. Estão atrás das paredes, dentro de seus confortáveis templos acolchoados e climatizados, e por isso não ouvem os gritos de socorro de muitos enfermos que pouco a pouco vão padecendo nesse mundo de lamúrias.

 “Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho” (1Co 9.16)

Somos os escolhidos para continuar em busca de mais “Mateus” para o Reino de Deus, cumpramos nossa missão.

II – A Igreja e a Sociedade

             “Não peço que os tires do mundo...” (Jo 17.15)

            Os filhos de Deus não podem isolar-se do mundo, em recantos distantes, monastérios ou outra “fortaleza espitirual”.

O campo missionário dos servos de Deus é o mundo. Aqui é o lugar de realizarmos nossa missão. Jesus intercedeu junto ao Pai para que nos desse força para que, mesmo sendo difícil, façamos o trabalho e depois de posto a mão no arado não olhemos para trás.

Sociedade - agrupamento de pessoas que vivem submetidas as mesmas leis. E é em meio a ela que devemos estar sempre refletindo a luz de Cristo (ICo 5.9-11). Fomos criados para viver em sociedade e nos relacionarmos com os demais indivíduos que participam da mesma.

No entanto a participação da igreja nesse processo social requer um comportamento influenciador de acordo com o código de conduta(Palavra de Deus) que dita nossa ética de vida, bem diferente dos padrões da sociedade hodierna.  

Devemos viver e conviver em sociedade. Fazer a diferença é nosso objetivo. Se o mundo cada dia a mais caminha para as trevas, a Igreja, ao contrário, deve buscar sempre mais brilhar por meio da comunhão com Deus.

Socorrer os necessitados, viver os valores do Reino de Deus, ensinar a justiça, pregar o amor, promover as boas obras são meios de a Igreja dizer aos homens da sociedade que o Reino de Deus é a esperança para os que não enxergam mais futuro além daqui.

III – A Igreja e a Proteção Social

Alguns acreditam que só um país totalmente governado por cristãos seria a solução para o fim dos problemas sociais que assolam qualquer nação. Alguns levantam essa bandeira e gastam suas forças correndo atrás dessa utopia. Digo utopia porque sonhar com isso é não estar esperando o Reino de Deus, pois só Ele é quem tem o poder para resolver de uma vez por todas o caos mundial. No entanto não quer dizer que possamos sempre que possível confiar nosso voto a um servo de Deus que realmente tenha vocação para desempenhar por meio da política ações que beneficiem não só um grupo seleto mas a sociedade em geral. Mas a Igreja não pode se limitar a política para exercer a proteção social.

 “Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”.

Todos os dia oramos por nós e nossas famílias, aconselhamos com amor e paciência aqueles a quem queremos bem e com zelo ensinamos aos mesmo os valores que aprendemos na Palavra de Deus.

Mas fazemos isso com o nosso próximo ou só protegemos quem está no mesmo barco que nós?

Proteção social é cumprir o segundo mandamento. É querer para os outros o que, com assiduidade, pedimos para Deus. Então façamos isso. Obsevemos o exemplo de Jó que não era egoísta pois nem mesmo em um momento crítico não deixou de interceder pelos seus amigos.

Isso é proteção social! E esse papel a Igreja deve desempenhar.

IV – A Igreja e a Assistência à Sociedade

Evangelizar não consiste só na entrega de folhetos. Assistencia social não é só o ato da distribuição de cestas de alimentos e tampouco o trabalho de restauração se limita somente a cultos temáticos.

A maioria das igrejas fazem as atividades acima relacionadas mas, infelizmente, limitadas as ações citadas. Poucas se preocupam em buscar uma execelência.

“...A evangelização mundial requer que a igreja inteira leve o evangelho integral ao mundo todo. A igreja ocupa o ponto central do propósito divino para com o mundo, e é o agente que ele promoveu para difundir o evangelho. Mas uma igreja que pregue a Cruz deve, ela própria, ser marcada pela Cruz. Ela torna-se uma pedra de tropeço para a evangelização quando trai o evangelho ou quando lhe falta uma fé viva em Deus, um amor genuíno pelas pessoas, ou uma honestidade escrupulosa em todas as coisas, inclusive em promoção e finanças...”[2]

Evangelizar e fazer discípulos são a imcubência primária da Igreja Cristã. O evangelismo requer, além de vidas cheias do poder de Deus, de estratégias que tenham planejamento, direção e controle para que o trabalho renda os frutos esperados – Almas!

Por meio do evangelismo a Igreja cresce e o Reino de Deus é glorificado. A sociedade automaticamente, pelo testemunho e ação dos santos, é tranformada. Onde havia trevas agora brilha a luz pois o santo é um instrumento de Deus para brilhar em meio a essa geração corrompida pelo pecado.

A pregação e a oração são primazia para a igreja mas não podemos esquecer das obras de misericordia. A sociedade é carente de ajuda, não só espiritual mas física também. Nossa missão é integral, precisamos olhar para o homem como um todo(espírito, alma e corpo). As drogas, a violência e a criminalidade destroem vidas, e diante desse quadro terrível nós não podemos fechar os olhos e ficar esperando que o governo faça tudo.

“Embora a reconciliação com o homem não seja reconciliação com Deus, nem a ação social evangelização, nem a libertação política salvação, afirmamos que a evangelização e o envolvimento sócio-político são ambos parte do nosso dever cristão. Pois ambos são necessárias expressões de nossas doutrinas acerca de Deus e do homem, de nosso amor por nosso próximo e de nossa obediência a Jesus Cristo. A mensagem da salvação implica também uma mensagem de juízo sobre toda forma de alienação, de opressão e de discriminação, e não devemos ter medo de denunciar o mal e a injustiça onde quer que existam”[3]

Deus espera de nós ações que glorifiquem seu nome e por meio de ações sociais nós podemos demonstrar que os crentes realmente amam ao próximo.

 “Mas dirá alguém: Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra-me a tua fé sem as tuas obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras”(Tg 2.18)

O Pr. Hernandes Dias lopes em uma pregação comentando esse texto de Tiago nos diz: “...As boas obras são a consequencia, o resultado e a evidência da salvação...o Deus que trabalhou em nós agora está trabalhando através de nós por meio das boas obras”

Então vamos lá, homens transformados, tranformando o mundo com amor e ação!

V – Dinâmica (EU SOU ASSIM*)

            Caso queira receber o tutorial da dinâmica para aplicá-la em sua sala de aula, envie um e-mail para FILHOCON@YAHOO.COM.BR


            Uma ótima aula!

Fonte Bibliográfica:

[1] – MULHOLLAND, Dewey M.– Marcos Introdução e Comentário – Ed.Vida Nova – Série Cultura Bíblica – p.41
[2] - A Igreja e a Evangelização – Pacto de Laussane
[3] - A Responsabilidade Social Cristâ – Pacto de Laussane