HINOS DA HARPA

Para quem quer aprender muitos hinos da Harpa Cristã mas não ainda não encontrou um meio para tal fim, indico aqui o site HARPA CRIST do irmão Henrique Reis.



O irmão Henrique desenvolveu essa ferramenta virtual para que o nome do Senhor Jesus seja glorificado com as belas letras e melodias dos mais diversos hinos de nossa Harpa Cristã.

Para os professores de EBD que todo domingo recebem a tarefa de cantar os 03 hinos indicados pela CPAD, o referido site é um companheiro a mais para aprender os mesmos.

Que Deus abençoe o irmão Henrique cada vez mais por esse lindo trabalho!

Clique no link a seguir e acesse o site Harpa Cristã: http://www.harpacrista.org/




A Integridade de um Líder

Publicado no Blog do Pr. Altair Germano - http://www.altairgermano.net




Nesta última lição do 4º trimestre de 2011 o tema “integridade” é abordado com muita propriedade. Iniciarei este subsídio citando e comentando alguns trechos da lição.

A INTEGRIDADE DO LÍDER E AS VANTAGENS

“[…] Neemias abriu mão de todas essas vantagens, para ajudar para ajudar seus compatriotas a superar aquele momento tão difícil. Atualmente, não são poucos os homens e mulheres que tudo renunciam para se dedicarem integralmente ao Reino de Deus.” (Ponto I, sub-ponto 1)
O texto acima afirma uma verdade, a de que muitos renunciaram vantagens para se dedicarem ao Reino Deus. Conheço diversas pessoas que sentindo o chamado de Deus para dedicar tempo exclusivo em sua obra abriram mão de um emprego maravilhoso, de uma carreira promissora e de um negócio lucrativo.

Por outro lado, conheço muita gente que fez (e faz) do Reino de Deus o seu negócio. São líderes que fazem da posição que ocupam fonte de enriquecimento pessoal e de benefício para a família e “amigos”. Estes, matam e morrem para não perder as vantagens das quais Neemias abriu mão. Falo da segurança, estabilidade, conforto, posição privilegiada e honrarias.

Nos dias atuais tenho visto líderes que eram íntegros e tementes a Deus, mas, que agora encontram-se corrompidos e embriagados por cargos e posições. Ocupar e se manter em cargos de diretorias de igrejas, convenções estaduais e nacionais tornou-se obsessão para os tais. A minha alma geme em vê tanta gente boa se perdendo. A confiança na soberania de Deus que estabelece líderes para servir ao seu povo foi quase que totalmente abandonada.

A INTEGRIDADE DO LÍDER E A REFORMA MORAL E ESPIRITUAL

“Homem íntegro e temente a Deus, não se limitou a reconstruir os muros e as portas de Jerusalém, mas conduziu a nação a uma profunda reforma moral e espiritual”.(Ponto II, sub-ponto 1)

Uma reforma moral e espiritual foi um grande anseio no período que antecedeu a Reforma Protestante. O quadro era o seguinte:

- Corrupção e suborno nas eleições e indicações para os cargos eclesiásticos.Alexandre VI foi eleito pelo colégio de cardeais por meio de suborno e Leão X teve a sua eleição comprada a peso de ouro[1]. Sisto IV financiou suas guerras vendendo os cargos da Igreja para os compradores que mais pagassem.[2] Os cardeais raramente eram escolhidos por sua piedade, mas em geral por sua riqueza ou relações políticas ou capacidade administrativa.[3] Na Igreja do século XV quase todas as indicações exigiam a compra de superiores. “Uma medida papal muito usada para arranjar dinheiro era vender cargos eclesiásticos, ou (segundo o ponto de vista dos papas) indicar para sinacuras ou honrarias, até para cardinalato, pessoas que fizessem uma contribuição substancial para as despesas da Igreja”.[4] O nepotismo esteve também presente. Alexandre VI logo após a instalação, cumulou seu filho de benefícios, que aos 16 anos foi nomeado arcebispo de Valência. Após um ano fê-lo cardeal.

- Envolvimento com a política secular. Leão X, o terrível, era mais comandante de tropas do que líder espiritual. “Para ele, a salvação da Igreja estava na política e na guerra, uma eclesiologia altamente questionável”.[5] A diplomacia inescrupulosa de Alexandre VI e o militarismo cruel de seu filho César Bórgia reconquistaram os Estados Papais para o papado e acrescentaram rendas e forças à Sé Apostólica, escandalizando com os seus métodos a Europa.[6] O Papa Júlio II superou a postura e ação militar de César Bórgia realizando guerra contra a rapace Veneza e os franceses invasores. “A Europa ficou chocada ao ver o papado não somente secularizado como também militarizado”.[7] O Papa Sisto IV atirou-se avidamente ao jogo da política.[8] Muitos bispos eram, ao mesmo tempo, governadores eclesiásticos e civis.[9]

- O esbanjamento dos recursos. Leão X foi leviano gastando fortunas para saciar o seu hedonismo. Logo após a sua eleição escreveu a seu irmão Giuliano de Médicis: “Curtamos o papado, já que Deus no-lo concedeu!”.[10] A Igreja esqueceu a pobreza dos Apóstolos nas necessidades e gastos do poder[11]. Os impostos papais para manter o luxo tornaram-se uma carga pesada para o povo da Europa.[12] “Para a maior parte do clero, a Igreja era vista como sendo de sua propriedade”. [13]

- A força da tradição. Um conjunto de tradições religiosas, ao passar dos séculos, ganhou preeminência em relação à Palavra de Deus. Assim, como nos dias de Jesus, a tradição passou a invalidar o mandamento divino (Mt 15.1-6). Como bem coloca Maia
A tradição nunca foi rejeitada pelo simples fato de ser tradição. Nas próprias Escrituras encontramos ênfase e crítica à tradição (2 Ts 2.15). A questão básica é: A que tradição estamos nos referindo? R.C. Sproul esclarece: “Lutero e os reformadores não queriam dizer por Sola Scriptura que a Bíblia é a única autoridade da Igreja. Pelo contrário, queriam dizer que a Bíblia é a única autoridade infalível dentro da Igreja.[14]

O que não se pode negociar e aceitar é o fato de que nenhuma tradição, por “boa” que seja, tenha autoridade acima da Palavra de Deus.

- Outras queixas. Outros fatores contribuíram para o anticlericalismo da Europa Católica Romana.[15] Foram eles: A ênfase na fé ortodoxa mais do que na boa conduta, a absorção da religião pelo ritual, a ociosidade e a esterilidade espiritual dos monges, a exploração da credulidade popular através da venda de indulgências, do suposto poder miraculoso das relíquias, do abuso da excomunhão, da censura pelo clero às publicações, a crueldade da inquisição, o desvios de recursos destinados às cruzadas, e mais a afirmação de que um clero corrompido era o único ministrador de todos os sacramentos, com exceção do batismo.
Este conjunto de fatores promoveu um total descrédito na liderança da Igreja. O título de clérigo, padre ou monge era um termo de insulto pesado. “Em Viena, o sacerdócio, em tempos a mais desejada de todas as carreiras, não recebeu qualquer noviço nos 20 anos que precederam a Reforma”.[16]

É duro afirmar, mas estamos repetindo os mesmos erros do passado. Concluo, seguindo a mesma perspectiva de Lutero, de que uma reforma moral só será possível com uma reforma espiritual, e não o contrário. Aliás, foi este o grande ponto de divergência entre o reformador Lutero e o humanista Erasmo de Roterdã.

A INTEGRIDADE DO LÍDER E O PODER

“Há um ditado popular que diz: ‘Quer saber quem é realmente uma pessoa? Dê-lhe poder’. Há certos homens e mulheres que, ao assumirem um cargo de liderança, mudam completamente”. (Ponto II, sub-ponto 2)

Eu acrescento ao ditado o seguinte: Quer saber mais ainda quem é realmente uma pessoa? Tire o poder que lhe foi dado.
Conheço líderes que quando não estavam no poder censuravam e se indignavam com algumas práticas de quem lá estava. Ao assumir o poder, não demorou muito para reproduzir os mesmos erros.

Hoje, em igrejas e Convenções, há uma luta ferrenha para se conquistar e para se manter no poder. Quem está fora quer entrar para “mamar nas tetas” da instituição, enquanto quem está no poder não quer largar de forma alguma as “tetas”. Parece até com a música do Dominguinhos que diz:

Olha, isso aqui tá muito bom
Isso aqui tá bom demais
Olha, quem ta fora qué entra
Mas quem ta dentro não sai
Verso:
Vou me perder me afogar no teu amor
Vou desfrutar me lambuzar deste calor
Te agarrar pra descontar minha paixão
Aproveitar o gosto dessa animação

No caso “ministerial” em questão, os homens estão se afogando no amor ao poder, se lambuzando nos privilégios, se agarrando aos cargos e se animando nos grandes banquetes.

A INTEGRIDADE E A POPULARIDADE DA LIDERANÇA

Wiersbe, em seu livro A Crise de Integridade (1993, p. 52-53), faz uma advertência bastante pertinente para a nossa realidade

Uma das fraquezas da igreja nos últimos anos tem sido a abundância de celebridades e a ausência de servos. A maneira pela qual alguns pregadores dos meios de comunicação têm ostentado abertamente um estilo de vida extravagante é uma desgraça para si mesmos e para a igreja. Entretanto, poucos líderes religiosos ousam criticá-los ou cortar a amizade. Afinal, quando assistem às mesmas convenções, compartilham a mesma publicidade e pertencem às mesmas comissões influentes, é fácil ignorar o pecado e chamar a covardia de “tolerância”. 

A igreja não vai solucionar a crise de integridade até que os seus ministros e membros comecem a viver a mensagem do evangelho tanto quanto pregá-la. Os pregadores do sucesso asseveram que uma vida de opulência é a confirmação do evangelho, mas eu acho que é uma contradição do evangelho. Não é que Deus queira que o seu povo viva em pobreza, pois ele “tudo nos proporciona ricamente para nosso aprazimento” (1 Tm 6.17). Mas, levando em consideração o nascimento, a vida e a morte de Cristo, e levando em consideração o sofrimento e a necessidade do mundo nos dias de hoje, como pode a igreja justificar apoio a homens e movimentos que desperdiçam recursos? Acho que algumas celebridades cristãs tem problemas financeiros e morais por começarem a acreditar no que se dizia a seu respeito. Deve ser difícil para a celebridade chegar em casa depois de uma esplêndida reunião ou concerto e ter que trocar as fraldas do nenê ou levar o lixo para fora! […] Nos dias de hoje muitos ministérios são governados pela popularidade e não pela integridade, pelas estatísticas e não pelas Escrituras. […] Nossa igrejas também precisam de líderes corajosos como Neemias, que estejam dispostos a atacar a árdua tarefa de remover os destroços, reconstruir os muros e retirar o opróbrio do povo de Deus. Para resolver essa crise de integridade, pregadores e leigos precisam trabalhar em conjunto. Portanto, voltemos a Neemias e consideremo-lo como nosso exemplo de integridade na liderança.

Amados, fico por aqui, agradecendo a todos que me motivam para continuar a escrever estes subsídios. Sou sabedor do incômodo que os mesmos provocam em muitos, mas, da mesma forma, da esperança e ânimo que promovem em outros.

Sou consciente de que não se dobrar ao “sistema” tem um preço alto a ser pago, mas, como Jesus pagou um preço bem maior, sigo na graça dele e contando com as vossas orações.
No amor de Cristo,

CITAÇÕES

[1] DREHER, Martim N. A Crise e a renovação da Igreja no período da Reforma. 4. ed. São Leopoldo: Sinodal, 2006, p. 17.
[2] DURANT, ibid., p. 11.
[3] Ibid., p. 15.
[4] Ibid., p. 16.
[5] DREHER, ibid.
[6] DURANT, ibid., p. 11.
[7] Ibid., p. 17.
[8] DURANT, Ibid., p. 11
[9] Ibid., p. 15.
[10] DREHER, ibid., p. 18.
[11] DURANT, ibid., p. 16.


[12] CAIRNS, ibid., p. 201.
[13] DREHER, ibid.
[14] MAIA, Hermisten. Fundamentos da Teologia reformada. São Paulo: Mundo Cristão, 2007, p. 42.
[15] DURANT, ibid., p. 21.
[16] Ibid.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BOICE, James M. et al. Reforma Hoje: uma convocação feita pelos evangélicos confessionais. São Paulo: Cultura Cristã, 1999.
CAIRNS, Earle E. O Cristianismo através dos séculos: uma história da igreja cristã. Tradução de Israel belo de Azevedo. 2. ed. São Paulo: Vida Nova, 1988.
DURANT, Will. A Reforma. Tradução de Mamede de Souza Freitas. 3.ed.Rio de Janeiro: Record, 2002.
DREHER, Martim N. A Crise e a renovação da Igreja no período da Reforma. 4. ed. São Leopoldo: Sinodal, 2006.
MAIA, Hermisten. Fundamentos da Teologia Reformada. São Paulo: Mundo Cristão, 2007.
WIERSBE, Warren W. A crise de integridade. Flórida-EUA: Editora Vida, 1993.

LIÇÕES BÍBLICAS 1º TRIMESTRE DE 2012



Que Deus abençoe nossas EBD's em todo território brasileiro e que aumente o desejo em mais e mais irmãos de fazerem parte dessa grande escola!

EXPRESSÕES PENTECOSTAIS - PARTE 1


Alguns pensam que vocábulos como, "VARÃO", "CANELA DE FOGO", "VASO", "PROFETA", "BRASA VIVA", entre outros, são verdadeiras expressões de um crente pentecostal. Mas não são!

Ganharam força no meio pentecostal tais palavras mas, no entanto, as verdadeiras expressões pentecostais que devemos conhecer e praticar são as seguintes:

- Eu te amo meu(minha) irmão(ã);

- Eu te perdoo  meu(minha) irmão(ã);

- Perdoe  o meu erro meu(minha) irmão(ã);

- Vamos respeitar-nos mais;

- Você está precisando de algo meu(minha) irmão(ã)?;

- Eu preciso de você meu(minha) irmão(ã);

- Eu me preocupo com você meu(minha) irmão(ã);

...

Esse é meu pensamento, essa é minha vontade, essa é minha oração!

Que Deus, o nosso Pai, nos abençoe!

REFLETINDO!

"Antes de começar a criticar os defeitos dos outros, enumere ao menos dez dos teus"
(Abram Lincoln)
 
 
 
 
 
 
 
 
 

ELE VIU, VEIO E VENCEU

Por Norbert Lieth - Chamada.com


Os que vieram antes de Jesus podiam apenas dizer como uma pessoa deveria ser. Jesus, porém, mostrou isso em Seu próprio corpo. Ele não apenas indicou o ideal, como os outros fizeram, mas Ele próprio foi o ideal e o viveu diante de nossos olhos. (O. Hallesby, em “Como Me Tornei Cristão)

Ele viu

Nas primeiras páginas da Bíblia lemos que Deus, depois de criar tudo, olhou para a criação e concluiu: “Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom. Houve tarde e manhã, o sexto dia” (Gn 1.31). O homem, nesse momento, vivia em perfeita harmonia com o seu Criador e com a criação. Mas então o pecado se interpôs, o ser humano perdeu a comunhão com Deus e a criação inteira foi afetada pela queda. 

A maldade começou a se alastrar: “viu o Senhor que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo o desígnio do seu coração” (Gn 6.5). Deus enviou o dilúvio e salvou unicamente a Noé e sua família. Mas o pecado sobreviveu dentro da arca, e não demorou muito para que os homens se rebelassem novamente contra Deus. Construíram a torre de Babel, e Deus teve de intervir para acabar com o orgulho ilimitado da humanidade. 

Assim, os homens foram dispersos por todo o globo terrestre e Deus confundiu sua linguagem. Mais tarde, Deus escolheu Abraão, e depois dele seu filho Isaque e seu neto Jacó. Deus o fez por uma razão bem específica: queria enviar um Salvador, vindo da descendência de Abraão, para resgatar a humanidade da miséria de seu pecado. Para tanto, Deus deu a Abraão a promessa de que através dele e de sua descendência toda a humanidade seria abençoada: “...em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gn 12.3). Essa foi uma clara indicação da vinda de Jesus para salvar o mundo, pois Ele veio da linhagem de Abraão através de Isaque e Jacó, que é Israel. 

Pensando nesse fato, Jesus disse que “a salvação vem dos judeus” (Jo 4.22). Cristo estava querendo dizer que a salvação para o mundo vem dos judeus porque Ele, como homem, descendia do povo judeu e trouxe a salvação ao mundo inteiro.
Quando Abraão se dispôs a sacrificar seu filho, Deus interferiu e não permitiu que o menino fosse morto. Mas no lugar do sacrifício de Isaque o próprio Deus, um dia, nos concederia um sacrifício de Si próprio trazendo a salvação para o mundo todo. 

Por esse motivo Abraão declarou profeticamente em relação a esse fato tão significativo no Plano de Salvação: “E pôs Abraão por nome àquele lugar – O Senhor Proverá. Daí dizer-se até ao dia de hoje: No monte do Senhor se proverá” (Gn 22.14). Com grande probabilidade, esse lugar onde Abraão queria sacrificar seu filho Isaque fica na cadeia montanhosa de Moriá, no monte Gólgota, onde Jesus Cristo morreu pelos pecados do mundo aproximadamente 2.000 anos depois. Deus havia eleito esse lugar, e lá Jesus quis se sacrificar por nós.

Ele veio

Ele veio como bebê, dependendo dos outros para Seus cuidados. Como criança, já começou a ser perseguido e teve de fugir.
O amor de Deus pelos homens foi maior do que a rejeição destes a Deus. Jesus veio à terra não para reinar como Rei, mas como servo, para nos salvar. Ele nasceu como bebê indefeso em condições de pobreza. Tornou-se servo por sofrer pessoalmente muito mais do que qualquer outra pessoa. “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).

O que significou o Natal para Deus? Em primeiro lugar, Deus separou-se de Seu Filho. O que essa separação deve ter representado para Ele? Jesus abriu mão de Sua glória no céu, que era um inimaginável reino de luz, pureza e beleza e onde incontáveis multidões de anjos O serviam, para vir à terra, dominada pelo pecado, pela impureza e pelo poder das trevas. Ele, que é a própria vida e que existe desde a eternidade, veio a um mundo onde reina a morte. Ninguém consegue imaginar e compreender esse contraste. 

Jesus não veio como rei, mesmo sendo Rei. Ele veio como bebê, dependendo dos outros para Seus cuidados. Como criança, já começou a ser perseguido e teve de fugir. Jesus não cresceu na riqueza, pois tinha de trabalhar pelo Seu sustento. Muitas vezes não foi compreendido pela Sua família e pelos Seus amigos. Os religiosos de Israel O rejeitavam e perseguiam. Foi chamado de comilão e bebedor de vinho e, no final da Sua vida, foi traído e negado. Seus melhores amigos O abandonaram.

Cristo foi condenado como malfeitor e humilhado, mesmo tendo feito apenas o bem em toda a Sua vida. Mas a maior dor de Jesus foi ter sido abandonado pelo Pai quando estava dependurado na cruz, porque se fez pecado por nós. Jesus veio ao mundo com o propósito de morrer em nosso lugar, para que pudéssemos viver. Jesus veio para que nós pudéssemos chegar ao Pai.

Ele venceu

Jesus não veio apenas para morrer. Ele veio para vencer. Através de Sua morte e ressurreição Ele venceu o pecado, a morte e o Diabo. Não existe destino que Ele não tenha derrotado, nem desesperança ou medo, escuridão ou perdição que Ele não tenha sobrepujado triunfalmente. “Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão? O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. Graças a Deus que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Co 15.55-57). Esse é o sentido do Natal! Sem Sua morte e ressurreição não haveria festa de Natal. Por Jesus ser Deus, Ele não podia permanecer morto. O Pai O ressuscitou, Jesus retornou para a glória do Pai e voltará como Soberano sobre todo o mundo.

O Natal é para você apenas uma festa sentimental, com velas, música e presentes? Será que o Natal não significa mais do que um bebê que não sai da manjedoura a vida toda? Está na hora de oferecer um presente a Jesus, um presente que Ele merece há muito tempo: você mesmo! Entregue sua vida a Ele! (Norbert Lieth - http://www.chamada.com.br)

ARREPENDIMENTO, A BASE PARA O CONCERTO


Subsídio













I - Texto Áureo (2 Cr 7.14)
II - Auxílio Teológico
III – Dinâmica (Meu arrependimento) *

I – Texto Áureo

“E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se converter de seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra” (2 Cr 7.14)

"Voltar atrás algumas vezes significa prosseguir"

Quantas vezes será preciso que os espinhos da vida firam o homem para que ele entenda que somente em Deus pode encontrar descanso? Algo preocupante é ver tantas pessoas obstinadas em seus maus caminhos sem se preocuparem em parar e observar como estão diante de Deus. 

O povo de Israel parou, ouviu e sentiu a necessidade de voltar atrás, onde caíram e, arrependidos, recomeçarem novamente a caminhada com Deus.

Arrependimento

A condição sine qua non (“sem o qual não pode ser”) para que DEUS ouça nossas orações é que estejamos arrependidos de nossos pecados, pois eles formam uma barreira entre nós e nosso DEUS.

Conversão.

Convergir é mudar de rumo, pegar outra direção. Por que a conversão? A Bíblia diz em Jeremias 17:09: ‘Enganoso é o coração, mais que todas as cousas e desesperadamente corrupto, quem o conhecerá?’ O coração humano é um coração corrupto. Teologicamente chamamos a isso de natureza pecaminosa. Todos os seres humanos, desde que viemos a esta terra, você, eu, todos, nascemos com natureza pecaminosa. Mas o que é natureza pecaminosa? É uma vontade desesperada de gostar do lixo desta vida; de gostar das coisas erradas. Com essa natureza com que nascemos, é impossível agradar a Deus; é impossível amar as coisas certas; é impossível querer estudar a Bíblia, querer seguir a Jesus, querer obedecer. É literalmente impossível! Veja o que Jeremias confirma, no capítulo 13:23: ‘Pode acaso o etíope mudar a sua pele, ou o leopardo as suas manchas? Então poderíeis fazer o bem, estando acostumados a fazer o mal?’ Esta é a situação do ser humano, e é por isso que é preciso uma conversão de natureza”[1]

 Se já sentimos que a vida não anda em direção a Deus – Arrependamo-nos. Ele está pronto a nos perdoar e nos encher de sua graça e seu amor!

II – Auxílio Teológico

ARREPENDIMENTO:

O arrependimento nunca pode manifestar-se sozinho. Qualquer fonte de arrependimento que não vem acompanhado de outros elementos espirituais é incapaz de produzir conversão genuína. Quais seriam esses elementos?

(1) – A CONFISSÃO – O arrependimento bíblico não é silencioso.

(1.1) – O publicano que confessou desceu justificado para sua casa - Lc 18:13-14

(1.2) – O rei Davi confessou seu trágico pecado e alcançou a misericórdia divina – II Sm 12:13; Sl 51

(1.3) – A confissão de Daniel foi um fator de sucesso para o seu povo – Dn 9.

(1.4) – A confissão de Esdras produziu efeito semelhante – Ed 9:10.

(2) – LÁGRIMAS – Lágrimas não salvam, mas exercem uma grande influência no mundo espiritual.

Mt 26:75 – Talvez, este seja o mais significativo exemplo. As lágrimas de Pedro ficaram marcadas indelevelmente em sua vida e nas páginas das Escrituras. Elas emprestaram um sentido perpétuo ao seu arrependimento.

(3) – ORAÇÃO – O arrependimento é um sentimento que nasce no coração humano por inspiração de Deus. É natural que o arrependido ore e, assim, a inspiração volta para Deus – Lc 23:42.

(4) – – O arrependimento de qualquer criatura é aceito por Deus a partir do momento em que pulsaram no coração os acordes da fé.

(5) – CONVERSÃO – A operação do Espírito Santo impulsionando o pecador a arrepender-se, levando-o à experiência plena da salvação, tem como ponto culminante o ato de conversão. O arrependimento e a conversão são atitudes a serem tomadas pela pessoa humana. Deus não pode fazê-lo em lugar de quem quer que seja.

A exortação para a conversão está ao longo de toda a Escritura. Exemplos: Pv 1:23; Is 55:7; Jr 18:11; Ez 14:6; Os 12:6; Zc 1:4; At 14:15.

EFEITOS DO ARREPENDIMENTO:

A Bíblia adverte que aqueles que não se arrependem, certamente perecerão – Lc 13:5 – Por isso, a doutrina do arrependimento deve ser ensinada insistentemente, enfocando os sublimes efeitos que tal atitude proporciona aos que a praticam.

(1) – ABANDONO AO PECADO – Hb 12:2 – Uma das primeiras consequências do arrependimento é a vontade que o arrependido experimenta de afastar-se completamente das práticas que desagradam a Deus.

O verdadeiro arrependimento é sempre acompanhado de uma profunda vontade de viver uma vida nova de pureza e santidade, dentro dos padrões ensinados nas Cartas aos Hebreus.

(2) – PERDÃO – Deus sempre está pronto a perdoar o pecador arrependido e por isso os homens também devem perdoar-se mutuamente, sempre que haja arrependimento – Lc 17:3-4 cf At 5:31

(3) – SALVAÇÃO – O caminho para plena salvação tem que passar inevitavelmente pelo arrependimento. Isto significa que os verdadeiramente arrependidos estarão isentos do julgamento final, sob a liderança do Cristo ressuscitado Jo 5:24; At 17:30-31

(4) – VIDA NOVA – O pecado significa sempre uma vida decadente, desprezível. Todavia, o arrependimento abre as portas para uma vida nova – II Cor 5:17

(5) – ALEGRIA – Quando um pecador se arrepende, em vbários lugares se manifesta a alegria. Há alegria no coração do pecador arrependido, alegria no seio da Igreja que testemunha a decisão do arrependimento e especialmente no céu, diante dos anjos de Deus – Lc 15:7, 10, 32.

A Igreja deve proclamar de todas as maneiras a mensagem da doutrina do arrependimento, visto ser este o método divino através do qual se operarão as grandes transformações morais e espirituais no seio da família humana.[...]

[...]podemos vislumbrar, no Cap. 9 de Neemias, que houve um verdadeiro arrependimento no meio do povo de Israel. Senão, vejamos:

(1) – SETE EXPERIÊNCIAS IMPORTANTES EM NEEMIAS CAP 9:

(A) – Israel arrependeu-se com jejum e pano de saco – Ne 9:1
(B) – Israel separou-se do mundo e confessou seus pecados – Ne 9:2
(C) – Israel ocupou-se espiritualmente diante de Deus e prostrou-se para adorá-Lo – Ne 9:3
(D) – Israel clamou em alta voz – Ne 9:4
(E) – Israel cantou um hino de louvor – Ne 9:5

(2) – SETE DÁVIDAS DE DEUS EM NEEMIAS CAP 9:

(A) – Ele deu ao povo um grande nome: Abraão – Ne 9:7
(B) – Ele deu ao povo uma nova terra – Ne 9:8
(C) – Ele deu aos pais luz para o caminho – Ne 9:12
(D) – Ele deu ao povo juízos e leis – Ne 9:13
(E) – Ele deu ao povo pão e água – Ne 9:15
(F) – Ele concedeu ao povo o Seu bom Espírito – Ne 9:20
(G) – Ele deu ao povo um reino – Ne 9:22
(H) – Ele deu ao povo cidades fortificadas, terra fértil, casas cheias de coisas boas, cisternas cheias, vinhas, olivais e alimento (o povo comeu, se fartou e engordou) – Ne 9:25

(3) – O QUE DEUS É PARA TODOS NÓS EM NEEMIAS CAP 9:

(A) – Um Deus perdoador, clemente e misericordioso – Ne 9:17
(B) – Um Deus vitorioso – Ne 9:24
(C) – Um Deus fiel e sustentador – Ne 9:25
(D) – Um Deus poderoso e temível – Ne 9:32
(E) – Um Deus justo – Ne 9:33

Homens e mulheres arrependidos são a matéria prima de que se serve o Espírito Santo para transformá-los em instrumentos de Deus, a fim de poderem levar milhões de outros seres humanos a um verdadeiro encontro com Deus, sempre através do arrependimento”[2]

III – Dinâmica (Meu arrependimento *)

            Caso queira receber o tutorial da dinâmica para aplicá-la em sua sala de aula, envie um e-mail para: FILHOCON@YAHOO.COM.BR

            Uma ótima aula!

Fonte:

[1] – Lições Bíblicas - 4º Trimestre 2010 – 13-Se o meu povo orar - CPAD disponível em - 11.11.2011

[2] – FILHO, Geraldo Carneiro – Comentário Bíblico da lição 07 do 4º Trimestre de 2011 – disponível em http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/ 11.11.2011.

Quem pode dizer amém?

Qualquer ensinamento que não se enquadre nas Escrituras deve ser rejeitado, mesmo que faça chover milagres todos os dias.

Martinho Lutero





Estejamos vigilantes, o inimigo não brinca!



A CONSPIRAÇÃO DOS INIMIGOS CONTRA NEEMIAS

Subsídio
Sergiano Reis












I - Texto Áureo (Ne 6.3b)



II - Auxílio Devocional


III – Dinâmica (A melhor resposta) *


I – Texto Áureo

“Estou fazendo uma grande obra, de modo que não poderei descer; por que cessaria esta obra, enquanto eu a deixasse e fosse ter convosco?(Ne 6.3b)

Neemias sabia que estava fazendo uma grande obra. Não era grande pelo fato de ele ser o cabeça daquele projeto, mas era grande porque antes de Neemias pensar em fazê-la, Deus já havia planejado. Deus já havia planejado e também já tinha escolhido quem seria o vaso escolhido para tal fim. E o vaso escolhido – Neemias, começara sua preparação para aquele nobre epreendimento muito antes de chegar a Jerusalém, muito antes do cativeiro.

Caminhando rumo a uma liderança que não teme conspirações.

Ele começou essa caminhanda rumo a liderança na obra de Deus quando, sozinho, comungava com o Deus de Israel todos os dias onde quer que estivesse. E ele sabia muito tempo antes das afrontas de Sambalate e seus amigos que, como servo de Deus, sempre estaria exposto a conspirações por parte dos inimigos. Mas sua comunhão com Deus o capacitou e deu-lhe vigor, discernimento e sabedoria para enfrentar as intempéries da vida. Aprendamos então, e lembremos que quando a conspiração chegar temos resposta na experiência e no exemplo de Neemias, o servo de Deus que não parou a obra por causa de apelações do inimigo.

II – Auxílio Bibliológico

Não me façam descer daqui.

Os inimigos de Neemias continuavam tentando fazêlo descer da muralha e largar a obra de Deus, usando todo tipo de truques sujos para que a obra parasse. Mas ele lhes dizia: ‘Eu estou fazendo um trabalho importante e não posso descer’ (v.3). Por quatro vezes chamaram Neemias e, em todas elas, ele respondeu da mesma maneira. Em outra palavras, ele estava dizendo que não largaria a obra de Deus para cair na armadilha dos argumentos deles. Neemias usou de sabedoria para lidar com seus inimigos. Quando o povo de Deus está realizando a sua obra, o Diabo tenta envolvê-lo em todo tipo de argumento, conflito ou problema, para desviar a atenção dele do propósito de Deus. Se ele conseguir distrair o povo, poderá impedi-lo de realizar a obra que Deus o chamou para fazer.”[1]

Um dos fatores que levaram Neemias a obter sucesso contra as conspirações do inimigo foi o discernimento. Em tempos de relativismo e licenciosidade no meio das igrejas, é imprescindível que o líder cristão busque cada vez mais discernimento da parte de Deus para que não seja enganado e a obra do Senhor seja prejudicada.

O Discernimento e a cultura atual.

Sobre esse assunto – Dicernimento, o Pr. John Macarthur nos traz o seguinte alerta: “O dicernimento não é sinceramente bem recebido em uma cultura como a nossa. Na realidade, a perspectiva pós-moderna é mais do que hostil ao discernimento; ela é praticamente o extremo oposto do discernimento. Pense nisto: declarar que algo é a ‘verdade’ e chamar sua antítese de ‘erro’ é uma violação do único e derradeiro dogma invencível do pós-modernismo. Essa é a razão por que, para um pós-modernista, nada é mais grosseiro do que expressar opiniões firmes a respeito de questões espirituais, morais ou éticas,

Espera-se que as pessoas sustentem suas convicções mais importantes com tanta elasticidade quanto possível. A certeza a respeito de qualquer coisa não deve ser levada em conta. E todos aqueles que recusam equivocar-se em qualquer assunto acerca de princípios ou doutrinas são automaticamente rotulados como ‘bitolados’ ou ‘dogmáticos’. O zelo pela verdade tornou-se algo politicamente incorreto. Numa atmosfera ‘tolerante’ como a de nossa época, não existe tolerância alguma para o discernimento bíblico”.



III – Dinâmica (A melhor resposta *)

Caso queira receber o tutorial da dinâmica para aplicá-la em sua sala de aula, envie um e-mail para: FILHOCON@YAHOO.COM.BR



Uma ótima aula!

Bibliografia:

[1] – PLENITUDE, Bíblia de Estudo para Jovens – Comentário Bíblico de Ne 6.3 – Ed.SBB – 2010, p 594.

[2] – MACARTHUR, Jonh – A Guerra pela Verdade – Editora Fiel, p.233